14 de Outubro de 2019
18º/33º
ENTRETENIMENTO » COLUNISTAS

Os políticos trocados pelos juízes e promotores

É comum ouvir que o Brasil enfrenta uma entressafra de boas lideranças, de homens públicos capacitados, competentes e acima de tudo honestos.

A honestidade que deveria ser a regra, passou a ser a exceção, ou seja, não basta ser capacitado, competente. Necessário é que seja honesto.

Aliás, o descredito de todos os brasileiros nos seus representantes políticos é histórica, mas estamos atravessando um momento da vida nacional em que esta visão às vezes até um pouco preconceituosa.

Mas, o povo não deixa de ter razão.

Basta uma simples reflexão para que observar o mau momento da política. A começar pela popularidade da atual presidenta, as suspeitas de envolvimento dos presidentes da Câmara e do Senado com o escândalo de corrupção na Petrobras e a citação de parlamentares e servidores nas investigações promovidas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal.

Na realidade, a elite política do Brasil encontra-se atualmente no banco dos réus.
E a sociedade brasileira, mais informada, mais participativa e efetiva mostra-se sedenta de ética e decência. E em decorrência disso, tem se mostrado intransigente no julgamento sumário dos políticos.

Nem mesmo os políticos mais próximos, como prefeitos e vereadores tem escapado do severo crivo do povo, sendo taxados de incompetentes, desonestos e sem aptidão para a vida pública. Uma situação sem precedentes talvez na história política do Brasil, onde sempre brilharam grandes nomes.

Aliado a todo problema político que o país vive, tem-se a crise econômica que corrói ainda mais a confiança dos cidadãos nos seus governantes, fica ainda mais evidente a carência de lideranças capazes de assumir o comando do país para conduzi-lo a um futuro mais coerente e correto.
Sem dúvida, mostra-se incorreto e até injusto generalizar, como se vê atualmente, onde os cidadãos mostram-se indignados e associam a política à desonestidade.

De outro lado, tem-se como certo que aqueles que estão à frente dos cargos públicos, detentores de mandatos e os próprios partidos que os representam não estão fazendo a lição de casa.

Realmente a situação está muito complicada.

E em decorrência da falta de lideranças políticas que deem exemplo de integridade, de honestidade, de caráter, o povo tem dedicado sua atenção e sua admiração aos homens públicos que investigam e julgam os desvios da política, como os juízes e promotores que se destacam no exercício de suas atribuições.

Sem dúvida, trata-se de um sinal claro e evidente de que o Brasil está carente de líderes éticos e comprometidos com os interesses coletivos.



Henrique H. Belinotte – advogado do Escritório Belinotte & Belinotte advogados

+ VEJA TAMBÉM