06 de Dezembro de 2019
18º/33º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Homem que matou advogado bastense é solto após audiência de custódia em Bariri

O idoso de 66 anos suspeito de matar um advogado de 61 anos após uma discussão pelo imóvel que perdeu por dívida, em Bariri (SP), foi colocado em liberdade na tarde desta quarta-feira (3) após audiência de custódia.

De acordo com a Polícia Militar, o imóvel, localizado na área central da cidade, foi a leilão após o proprietário, Cyro César de Aguiar, de 66 anos, perdê-lo por uma dívida com uma instituição bancária.

O advogado Guido Sérgio Basso, que era de Bastos e arrematou a casa, teria ido até o local com a esposa durante a manhã para tirar as metragens do imóvel. Contudo, Basso acabou atingido por disparo de arma de fogo efetuado por Cyro de Aguiar, segundo a PM.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas constatou que o advogado morreu no local devido à gravidade dos ferimentos. Guido Sérgio Basso está sendo velado em Bariri e será enterrado na sexta-feira (5) pela manhã.

Ainda de acordo com a PM, Cyro de Aguiar fugiu antes da chegada dos policiais, mas acabou sendo encontrado nas proximidades do bairro. Ele foi levado para a delegacia e autuado por homicídio, crime pelo qual, agora, vai responder em liberdade.

De acordo com Eliel Pacheco, o advogado do suspeito, o que levou a Justiça a tomar a decisão de libertar seu cliente é que ele não possui antecedentes criminais, tem residência fixa e emprego estável, por ser engenheiro eletrônico.

Além disso, o advogado de Cyro de Aguiar disse que a Justiça entendeu que ainda há dúvidas sobre as circunstâncias do crime.

A defesa do suspeito sustenta que a vítima é quem estaria armada, que teria invadido a casa, e feito um disparo contra Cyro. Após luta corporal, o suspeito conseguiu tomar a arma e fez o disparo.

Contudo, a esposa da vítima afirmou, em depoimento à polícia, que seu marido foi até o imóvel para ver as metragens e, ao entrar no imóvel, acabou sendo ameaçado e atingido por disparos feitos pelo ex-proprietário.

O advogado do idoso explica que ele não poderá se mudar de endereço, nem viajar e terá de comparecer ao Fórum a cada pedido da Justiça.

Segundo o boletim de ocorrência, além da arma de fogo usada no crime, um revólver calibre 32, policiais encontraram e apreenderam outro revólver no imóvel. A origem da arma usada no crime está sob investigação, segundo a Polícia Civil.

Ao G1, o delegado Marcílio César Frederici de Mello, que comanda as investigações, disse que a Polícia Civil aguarda laudos periciais, entre eles o de corpo de delito e residuográfico, para determinar a dinâmica do crime. Ele disse ainda que a arma usada no crime não possui registro.

G1
+ VEJA TAMBÉM