18 de Outubro de 2019
18º/33º
NOTÍCIAS » LOCAL

Reportagem do Estadão destaca abandono de ferrovia que passa por Tupã

Agência Nacional de Transportes Terrestres diz que, mesmo não sendo usada, as malhas deve ser mantida pela concessionária em condições de operação.

Uma reportagem divulgada pelo Jornal o Estadão nesta segunda-feira (15), destaca o estado de abandono das ferrovias da região Oeste Paulista. Confira:

Por Renée Pereira, Estadão Conteúdo

O setor de transportes coleciona empreendimentos abandonados. O setor ferroviário, por exemplo, chegou a ter 37 mil quilômetros (km) de trilhos, mas a falta de investimentos fez a malha encolher para 28 mil km. Nesse número, porém, estão trechos desativados, a exemplo das linhas paulistas de Pradópolis/Colômbia; Bauru/Tupã/Panorama; e Santos/Cajati.

Nesses ramais, os trilhos foram invadidos por mato e até pela população, que construiu às margens ou sobre as ferrovias. "Só em São Paulo, são cerca de 800 km de estradas de ferro que foram desativadas, abandonadas e degradadas”, diz José Manoel Ferreira Gonçalves, da Frente Nacional pela Volta das Ferrovias.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres diz que, mesmo não sendo usada, a malha deve ser mantida pela concessionária em condições de operação. Não é o que se vê, por exemplo, no trecho entre Santos e Cajati, no Vale do Ribeira. Segundo a ANTT, calcula-se que hoje dois terços da malha brasileira tenha tráfego. Ou seja, um terço da ferrovia – que significa 9 mil km – não é usada.

A concessionária Rumo, responsável pela malha paulista, disse que os ramais de Pradópolis/Colômbia e Bauru/Tupã/Panorama fazem parte da concessão assumida em 2015. Ela afirma que os dois trechos estão desativados desde 2006. "Com a prorrogação da concessão da Malha Paulista até 2058, serão viabilizados R$ 7 bilhões em investimentos. O plano prevê reativação dos ramais citados.” Já no trecho Santos/Cajati, diz a Rumo, estudos mostraram a inviabilidade do transporte de cargas em larga escala.

Como as ferrovias, outro projeto que foi abandonado e precisa de um novo destino é o BRT Transoeste, na capital fluminense. Inaugurada em 2012 com a presença do então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, a obra custou à prefeitura do Rio cerca de R$ 900 milhões. Hoje, das 125 estações, 22 estão desativadas.

Com: Estadão Conteúdo
+ VEJA TAMBÉM