09 de Dezembro de 2019
18º/33º
NOTÍCIAS » LOCAL

Consumo de água em Tupã está acima da média nacional

Cada tupãense consome em média, por dia, cerca de 178,17 litros de água para atender suas necessidades de consumo e higiene.

Cada tupãense consome em média, por dia, cerca de 178,17 litros de água para atender suas necessidades de consumo e higiene.

A quantidade de água consumida por cada tupãense está 68,17 litros acima da média diária de 110 litros recomendada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Mas vale lembrar que no Brasil o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros de água por dia. Cabe ressaltar que devido à pressão da água, o consumo é maior em edifícios e apartamentos.

A Sabesp informou que há 13 reservatórios de água tratada em Tupã (dez na sede e três nos distritos) com capacidade total de armazenamento de 7,9 milhões de litros de água.

Esse volume é suficiente para abastecer a população durante mais de 16 horas. O reservatório com maior capacidade na cidade armazena 2 milhões de litros de água , afirmou a estatal, ao explicar que nos últimos 12 meses, o consumo médio mensal de água em Tupã foi de 350 milhões de litros.

A Sabesp ressaltou, porém, que a captação de água em Tupã é proveniente de poços, o que garante o abastecimento de toda a população. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Tupã contava com 65.477 habitantes no ano de 2018.

Poços profundos

Nos últimos anos, ocorreu um aumento significativo no consumo de água subterrânea no País. O Estado de São Paulo é o maior usuário dessas reservas. Em muitos dos municípios do interior atendidos pela Sabesp, o abastecimento é feito por meio de poços. São mais de 1.000 deles, e cerca de 3 milhões de pessoas beneficiadas.

O poço mais profundo que a Sabesp possui fica em Presidente Prudente. Ele tem 1.794,97 metros de profundidade e vazão de exploração de 110 litros por segundo. Há também poços profundos que precisam ser resfriados, pois, na captação, apresentam temperaturas elevadas. É o caso de Jales, com 58º C; Fernandópolis, com 57º C; e Tupã, com 48º C.

Assim como acontece nos reservatórios superfi-ciais, existe um tratamento adequado e o devido controle sanitário no tratamento da água nos poços profundos. Para torná-la potável e livre da contaminação, a Sabesp realiza a cloração e a fluoretação da água. O cloro auxilia na desinfecção e o flúor na prevenção às cáries.

Em Tupã, o maior volume de água captada é no poço profundo localizado no Bairro Afonso XIII, próximo do Frigo Estrela. Com cerca de 1.500 metros de profundidade, em poço pode produzir até 700 mil litros por hora, se for necessário.

Por isso, mesmo nesta época de estiagem e tempo seco, quando o consumo de água naturalmente aumenta, a cidade não corre o risco de sofrer com a falta de água. Mesmo assim, a estatal recomenda que o precioso líquido seja consumido com moderação, dentro das necessidades de cada pessoa, considerando o atendimento das próximas gerações.

Atualização

Diferente do que foi divulgado pelo Tupacity em 15/7, o consumo por habitante no município não é de 178 litros por dia. A assessoria de comunicação da Sabesp ressalta que informou, a pedido de outro veículo, o consumo médio mensal no município, o que inclui imóveis comerciais, indústrias e até mesmo áreas públicas, como praças. A partir dessa informação não é possível calcular o consumo per capita, como foi feito. Para comparar o consumo médio em Tupã com a média nacional, é necessário utilizar os dados de 2017, divulgados neste ano pelo Ministério das Cidades por meio do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Enquanto em Tupã, a média por habitante era de 158 litros por dia, a média nacional ficou em 153,6 litros naquele ano.

Jornal Diário
+ VEJA TAMBÉM