22 de Fevereiro de 2020
18º/33º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Universitária brasileira volta para casa por causa de surto de coronavírus na China

Rafaela, que saiu de Bauru em 2017, para cursar medicina do esporte em Pequim conta que passou últimos dias 'presa' em quarto

Uma jovem de Bauru (SP) que faz faculdade em Pequim decidiu deixar a China por causa do surto do coronavírus no país. Nesta quinta-feira (30), 170 mortes pela doença e mais de 7,7 mil casos foram confirmados pelas autoridades chinesas. No Brasil, o Ministério da Saúde informou que monitora casos suspeitos em seis estados.

Rafaela Felix, de 21 anos, chegou a Bauru nesta manhã e relatou ao G1 que vivenciou momentos difíceis em um país tomado pelo medo. A jovem conta que, nos seus últimos dias na China, viveu "trancada" dentro do quarto no campus da universidade.

"Fiquei com medo. Eu já não saía do quarto, sempre usava máscara, lavava as mãos. Mas eu já estava ficando louca, meu psicológico estava muito abalado”, lembra a jovem.


Segundo a estudante, por conta do surto de coronavírus, a faculdade que ela frequenta adiou o início das aulas, que estava previsto para o dia 15 de fevereiro.

Todos os dias, a jovem diz que a universidade mandava mensagem aos estudantes pedindo para que usassem máscaras, lavassem as mãos com frequência e evitassem sair de casa. Somente alunos e professores podiam entrar no campus.

"É um filme de terror. Pequim é a capital da China, é muito populoso. Quando você saía no meio da rua, você via muitas pessoas com máscara e depois de um tempo, já não via mais ninguém. Tudo deserto”, conta a jovem.

Viagem

De acordo com Rafaela, até sua partida, Pequim estava no nível 1 de epidemia, com cerca de 60 casos confirmados. Por isso, ela relata que não teve muitas dificuldades para deixar a cidade.

A jovem comprou a passagem na segunda-feira (27) e embarcou na terça, com escala em Marrocos. De lá, ela seguiu para o aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. "Eu estava com medo de fechar os aeroportos, não estava mais aguentando ficar naquela situação”, comenta.

Para ir até o aeroporto, Rafaela optou por utilizar um transporte de aplicativo, no lugar do metrô. Segundo ela, o aplicativo pedia para que o passageiro e o motorista confirmassem que estavam de máscara antes de iniciar a corrida.

No aeroporto de Pequim, a estudante foi submetida a uma fiscalização, na qual teve que preencher um formulário. Em Marrocos, ela também passou por uma inspeção, onde tirou fotos e mediu a temperatura.

Além disso, durante todo o trajeto, Rafaela conta que utilizou máscara e procurou lavar as mãos com frequência. "Qualquer coisa que eu tocava, me dava agonia. Eu estava pilhada”, admite.

Já no Brasil, Rafaela relata que não precisou passar por uma inspeção específica, mas notou que a mala dela, que veio direto de Pequim, estava plastificada.

Universitária de Bauru deixa a China após surto de coronavírus e relata clima tenso — Foto: Arquivo pessoal/Rafaela Felix
Universitária de Bauru deixa a China após surto de coronavírus e relata clima tenso — Foto: Arquivo pessoal/Rafaela Felix


G1
+ VEJA TAMBÉM