07 de Abril de 2020
18º/33º
NOTÍCIAS » BRASIL

ANEEL decide que não haverá corte de luz por inadimplência durante pandemia

Energisa informou que seguirá as determinações da ANEEL

O colegiado da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) decidiu por unanimidade em reunião virtual que não haverá corte de luz por falta de pagamento de todas as residências, rurais e urbanas, durante a pandemia, por 90 dias.

A mesma medida se estende aos serviços considerados essenciais, conforme descrito pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada e no fim de semana (serviços de saúde, imprensa etc.).

O Tupacity.com e o AssisCity entraram em contato com a Energisa, empresa responsável pela distribuição de energia elétrica em Tupã, Assis e região. A empresa informou que seguirá as determinações da ANEEL.

Leia a nota completa:

Posicionamento da Energisa sobre medidas divulgadas pela Aneel

A Energisa informa que está analisando as medidas anunciadas nesta terça-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A empresa considera de extrema relevância o posicionamento do regulador nesse momento crítico que o país e a sociedade atravessam.

Esse é um momento de profundas mudanças para a sociedade, no qual o espírito comunitário se torna ainda mais relevante.

A empresa ressalta que está dedicada em manter o fornecimento de energia para seus mais de 7,8 milhões de clientes em todo o país, e que vai cumprir a determinação da Aneel de não realizar cortes em consumidores residenciais e de serviços essenciais à população durante os próximos 90 dias.

A Energisa destaca o apelo feito pelo regulador para que aqueles clientes que têm condições mantenham seus pagamentos em dia. Informa, ainda, que o faturamento dos clientes continuará sendo feito normalmente.

A Energisa colocou à disposição dos clientes canais digitais como Whatsapp (18) 99120-3365, aplicativo Energisa ON, e o site energisa.com.br, além do 0800 70 10 326, para o atendimento integral de todas as necessidades, incluindo modalidades de débito em conta e opções flexibilizadas de parcelamento.

Redação Tupacity
+ VEJA TAMBÉM