15 de Agosto de 2022
20º/30º
Notícias - Brasil

Policial tem mão decepada ao defender mulher de agressor no DF

PM de SP, Leandro Percivalli, 37, foi levado ao hospital e precisou amputar a mão

Um policial militar precisou amputar a mão esquerda após ter o membro decepado ao tentar defender uma mulher de agressões do namorado. Leandro Percivalli, 37 anos, é PM reformado de São Paulo, e mora no Distrito Federal com a namorada, Lívia Oliveira, 32. O casal busca justiça pelo ocorrido.

O caso ocorreu na Quadra 905 Norte na madrugada deste sábado (2/7). Ao Metrópoles, Lívia conta que, por volta da 1h da manhã, ouviu gritos vindos da casa ao lado.

"Acordei o Leandro no impulso. Um homem estava ameaçando a mulher, falando que ia matá-la. Na mesma hora, meu namorado levantou e foi tentar ajudar, apaziguar a situação", relata Lívia. Quando Leandro chegou no local da briga, o homem, que estava armado com um facão desferiu um golpe no PM.

"Foi com um golpe só e ele decepou minha mão. Foi tudo muito rápido. Depois, ele continuou vindo atrás de mim, tentou me atropelar, mas, no fim, fugiu com a mulher que ele estava ameaçando minutos antes", comenta Leandro.

O casal não conhece o agressor. Leandro diz que o imóvel ao lado pertence aos pais do homem, que deveria estar passando uma temporada no local.

Segundo a vítima, o responsável pelo ataque é um homem que se chama Matheus e ainda não foi encontrado.
Policial tem mão decepada ao defender mulher de agressor no DF
Policial tem mão decepada ao defender mulher de agressor no DF

Buscas
Leandro e Lívia ainda não conseguiram abrir um boletim de ocorrência na Polícia Civil do DF (PCDF). Porém, afirmam que a PMDF foi acionada e está em busca do casal.

"O interessante é que ele seja capturado. Uma pessoa dessa não pode viver em sociedade", comenta Leandro. O PM reformado estava em Brasília há quatro meses.

Após o ocorrido, Leandro foi levado ao Hospital de Base, onde passou por uma cirurgia. Não foi possível recuperar a mão e ele teve de amputá-la.

Ele segue em observação na unidade hospitalar, mas está orientado e estável. "Agora, é pensar na vida daqui pra frente. Refazer a vida", comenta.
Metrópoles
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM