01 de Dezembro de 2021
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

2022 acabou?

Será que temos perspectivas positivas para a economia no próximo ano?

Como havia expressado anteriormente, de forma repetitiva, o crescimento econômico brasileiro nestes tempos de pandemia está estagnado no patamar em torno de 1% ao ano. No entanto, para o público externo, muitos economistas projetavam crescimento do PIB muito acima de 1% ao ano, e nas discussões internas, todos tinham conhecimento das terríveis dificuldades que bloqueiam o desenvolvimento sustentável do Brasil. Evidentemente que assim se comportavam por razões políticas, psicológicas e para não serem taxados de alarmistas.

Chega uma hora que não é mais possível continuar fantasiando projeções totalmente irreais. Principalmente quando diversos indicadores demonstram exatamente o contrário: o Brasil está atolado num buraco grande. As expectativas criadas em torno do Presidente Bolsonaro terminaram. Há um choque claro: o Projeto Liberal de Paulo Guedes X Ações intempestivas e intervencionistas de Bolsonaro.

E 2022? Ano eleitoral e com perspectivas reais de vitória de Lula, não criam nenhuma visão positiva para a combalida Economia Brasileira. Senão vejamos.

O dólar disparou e com ele, impactos relevantes e significativos sobre os custos de produção e os preços finais. O custo de vida ficou intolerável, com os preços dos produtos da cesta básica, como alimentos, o gás de cozinha, energia elétrica e combustíveis. Ou seja, a inflação subiu e com ele as taxas de juros. Juros altos significam quedas inversamente proporcionais nos investimentos privados. Como o setor público está endividado...

De outro lado, não há Poupança doméstica que possa financiar investimentos, já que a Renda Geral desabou, e com ela, o Consumo Agregado afundou em patamares de décadas passadas.

Se Bolsonaro não tem um Planejamento Estratégico que signifique Projetos e Programas para gerar investimentos privados, Lula tampouco têm. Lula já canta vitória em 2022 e com ela, ele fala em elevar gastos públicos, se necessário elevar impostos, desfigurar a Lei de Responsabilidade Fiscal, romper a Regra de Ouro que veda endividar acima dos investimentos públicos. Enfim, um cenário terrível para a Economia Brasileira.

Basicamente, o Brasil necessita urgentemente de estabilidade econômica, de previsibilidade, de planejamento, de controle das finanças públicas, de gestão austera e competente dos rumos da Economia Brasileira, definindo claramente prioridades em projetos privados que alavanquem os gargalos energéticos, infraestrutura, meio ambiente, mobilidade urbana, logística, tecnologia da informação, indústria 4.0, reforma do Estado, reforma tributária, reformas e mais reformas. Sinceramente, Lula está totalmente descompromissado com essas bandeiras.

O Brasil necessita de novas ideias, novas lideranças, novos projetos, novas pessoas, harmonia entre os poderes, capacidade de diálogo, projetar um rumo para o país. Nem Bolsonaro e Lula são capazes disso. Já demonstraram que estão descompromissados.

Infelizmente este cenário é tão cruel, que os indicadores econômicos estão à deriva. Como chegar a um quadro político que traga um mínimo de esperanças?
Colunista Roberto Kawasaki
Roberto Kawasaki
*Roberto Kawasaki é economista pela FEAUSP, Professor dos cursos de Administração, Sistemas de Informação, Arquitetura e Urbanismo, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Engenharia de Produção da FACCAT e articulista da Folha do Povo e do TupaCity.com
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM