17 de Maio de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

Capacidade e inteligência

Por Roberto Kawazaki: Se não houver um novo governo em 2023 que signifique renovação, propostas novas, gente diferente, honesta, competente e comprometida vamos ficar a deriva da comunidade internacional e seremos antagonistas




O tempo passa e os problemas econômicos mudam com ele. Por exemplo, nos anos de 1980, o problema era a inflação altíssima que relutava em cair, prejudicando a todos, principalmente os mais necessitados. Já na década de 1990, o problema era o endividamento público, que impedia o pais de crescer economicamente e portanto, socialmente. Na década seguinte, início do século XXI, o problema crucial da Economia Brasileira era fazer o PIB crescer e se desenvolver. Na década de 2010, o problema era combater o desemprego, buscar alternativas energéticas, preservar o meio ambiente e diminuir a desigualdade social. E esta década,
qual o problema ou problemas?

Certamente que todos devem concordar que nossos problemas se agravaram: a inflação voltou, o endividamento público retornou triunfalmente, o PIB não cresce mais de 1% ao ano, o desemprego é trágico, estamos buscando novas fontes renováveis energéticas, todos querem preservar o meio ambiente, e fundamentalmente, reduzir urgentemente a desigualdade social, saciar a fome que se alastrou, a pobreza que cresceu, a violência urbana e rural que se agravou, a falta de infraestrutura urbana, ou seja, nossa regressão absurda.

Se não houver um novo governo em 2023 que signifique renovação, propostas novas, gente diferente, honesta, competente e comprometida, filosofias republicanamente autênticas, quebra de paradigmas, novas ideias e um plano de desenvolvimento social e econômico, vamos ficar a deriva da comunidade internacional e seremos antagonistas. Porque protagonistas serão a China, Índia, EUA, Europa, Japão, talvez o Paquistão e, quem sabe, o Brasil. Buscar a formação governamental de grandes cientistas, empresários, entidades, dialogar com todos, criar pontes, fomentar amizades, formalizar acordos bilaterais, firmar tratados, integrar coalizões, esse deve ser o eixo de governo a partir de 2023. O tempo é curto e passa logo.

Chega de acordos políticos com o Centrão, acordos devem ser firmados com partidos políticos, ter uma base legislativa sólida e de
muito diálogo, sem confrontos. Respeito à Democracia, aos diferentes, basear a conduta em poderes independentes e harmônicos entre si.

Estabelecer metas governamentais, objetivos de política econômica coerentes e contemporâneos, eixos de desenvolvimento
econômico, plataformas prioritárias, equipes técnicas, competentes, não é pedir muito. Contudo, não é pouco. Haja capacidade e inteligência.
Roberto Kawasaki
*Roberto Kawasaki é economista pela FEAUSP, Professor dos cursos de Administração, Sistemas de Informação, Arquitetura e Urbanismo, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Engenharia de Produção da FACCAT e articulista da Folha do Povo e do TupaCity.com
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

PROGRAMA DE INCENTIVO DE EMPREGO A MULHERES E JOVENS

"Nesta Medida Provisória garante às mães de crianças de 4 meses a 5 anos ao auxílio-creche, por meio de acordo individual ou coletivo, ou por meio de convenção coletiva", escreve a colunista Juliana A. Marchetti

Novas regras para o teletrabalho - "home office"

Por Juliana Andriotti: Com as novas regras, considera-se teletrabalho ou trabalho remoto a prestação de serviços fora das dependências do empregador

Retorno presencial das gestantes

A nova lei dispôs de algumas regras para que a gestante retorne ao serviço

Seguro desemprego; saiba quem pode solicitar o benefício

Por Juliana Andriotti: O seguro desemprego é um benefício dado pelo Estado para os empregados que foram demitidos SEM JUSTA CAUSA. Isso mesmo, a demissão deve se dar por parte do empregador, e não deve ter justo motivo anotado na carteira de trabalho

Você trabalhou sem registro, foi demitido e não pagaram todos seus direitos? Saiba como proceder

Olá, leitor do Tupacity. Você por acaso passou por isso, ou conhece alguém que tenha passado? Neste artigo vou mostrar alguns caminhos possíveis para que você, trabalhador, não fique sem receber o que é seu de direito

Você trabalha e não é registrado? saiba as consequências e seus direitos!

Por Juliana Andriotti: Caso o empregado não registrado tenha vínculo empregatício e queira regularizar sua situação, é cabível acordo extrajudicial entre empregado e empregador

- Veja a lista completa