17 de Maio de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

Crise energética brasileira

Roberto Kawasaki é economista pela FEA-USP, professor dos cursos de Administração, Sistemas de Informação, Arquitetura e Urbanismo, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Engenharia de Produção da FACCAT e articulista do Tupacity.

Cada vez mais a crise energética se mostra previsível: a falta de chuvas no sudeste diminui a oferta de águas nos reservatórios e energia hidrelétrica daí decorrente. Embora a matriz energética brasileira seja de 73,65% de fontes renováveis e o mundo seja de 14,1% e 26,35% de fontes não renováveis e o mundo seja de 85,9%, poderíamos estar num patamar muito melhor, caso aproveitássemos nossas riquezas naturais.

Fonte: ONS e ANEEL
Fonte: ONS e ANEEL


De fato, embora seja renovável, a fonte hidrelétrica é perigosamente majoritária, pois basta um fenômeno climático desfavorável, como um período de poucas chuvas em locais estratégicos e em épocas de Primavera e Verão, que literalmente acende a luz amarela e vermelha no conflito oferta x demanda de energia elétrica, que além de impor tarifas mais custosas aos consumidores produtivos e finais, provoca o risco de causar racionamento e apagão energético.

Obviamente que o Brasil deve investir em fontes renováveis, por razões ambientais e econômicas, contudo, pode acelerar a substituição da dependência hidrelétrica para a eólica e solar, que exigem menos impactos sociais, econômicos e de preservação ambiental. Basta observar no quadro acima, que tanto a fonte solar quanto a eólica ainda pouco representam no total das fontes energéticas. Havendo possibilidades significativas de elevar investimentos nesses dois segmentos, tendo em vista que as dimensões continentais geográficas brasileiras e os climas tropical e equatorial permitem alçar crescimentos extraordinários e diminuir nossas dependências às variações climáticas e ficar suscetíveis ao sobe e desce do PIB.

Imaginem se não estivéssemos em pandemia sanitária, que reduziu consideravelmente o consumo de energia elétrica, o quanto estaríamos sujeitos ao racionamento ou, até mesmo, apagão de oferta de energia. Há, sem sombras de dúvidas, meios do setor privado investir em energia eólica e solar, melhorando a oferta energética renovável, gerar emprego de mão-de-obra, arrecadação de tributos e renda aos brasileiros.

É preciso planejamento estratégico governamental.
Colunista Roberto Kawasaki
Roberto Kawasaki
*Roberto Kawasaki é economista pela FEAUSP, Professor dos cursos de Administração, Sistemas de Informação, Arquitetura e Urbanismo, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Engenharia de Produção da FACCAT e articulista da Folha do Povo e do TupaCity.com
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

PROGRAMA DE INCENTIVO DE EMPREGO A MULHERES E JOVENS

"Nesta Medida Provisória garante às mães de crianças de 4 meses a 5 anos ao auxílio-creche, por meio de acordo individual ou coletivo, ou por meio de convenção coletiva", escreve a colunista Juliana A. Marchetti

Novas regras para o teletrabalho - "home office"

Por Juliana Andriotti: Com as novas regras, considera-se teletrabalho ou trabalho remoto a prestação de serviços fora das dependências do empregador

Retorno presencial das gestantes

A nova lei dispôs de algumas regras para que a gestante retorne ao serviço

Seguro desemprego; saiba quem pode solicitar o benefício

Por Juliana Andriotti: O seguro desemprego é um benefício dado pelo Estado para os empregados que foram demitidos SEM JUSTA CAUSA. Isso mesmo, a demissão deve se dar por parte do empregador, e não deve ter justo motivo anotado na carteira de trabalho

Você trabalhou sem registro, foi demitido e não pagaram todos seus direitos? Saiba como proceder

Olá, leitor do Tupacity. Você por acaso passou por isso, ou conhece alguém que tenha passado? Neste artigo vou mostrar alguns caminhos possíveis para que você, trabalhador, não fique sem receber o que é seu de direito

Você trabalha e não é registrado? saiba as consequências e seus direitos!

Por Juliana Andriotti: Caso o empregado não registrado tenha vínculo empregatício e queira regularizar sua situação, é cabível acordo extrajudicial entre empregado e empregador

- Veja a lista completa