17 de Maio de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

Demissão por recusa da vacina contra Covid-19

Muitas são as vertentes sobre este tema, então, vamos analisar cada possível caso, pois como já vimos em artigos anteriores, o direito é casuístico, logo, tudo DEPENDE.

Um questionamento que tem sido muito comum aos que não querem tomar a vacina da COVID-19 é se podem ser demitidos (por ou sem justa causa) pelo empregador.

Muitas são as vertentes sobre este tema, então, vamos analisar cada possível caso, pois como já vimos em artigos anteriores, o direito é casuístico, logo, tudo DEPENDE.

Independente de cada cenário, é necessário que a empresa faça campanhas de conscientização para seus funcionários sobre a importância da vacinação, para a proteção do ambiente do trabalho, também que ajude na divulgação de datas e locais, bem como recomenda-se que a empresa inclua a vacinação em seu PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

Vejamos uma decisão sobre a aplicação da demissão por justa causa.

Há algumas decisões judiciais em que se permitiu manter a justa causa. A título de exemplificação, cito o caso de uma funcionária cujo cargo em que ocupava era de auxiliar de limpeza de um hospital infantil na cidade de São Caetano do Sul.

Esta funcionária ingressou judicialmente pedindo a reversão da justa causa, porém, a magistrada entendeu que "A necessidade de promover e proteger a saúde de todos os trabalhadores e pacientes do Hospital, bem como de toda a população deve se sobrepor ao direito individual da autora em se abster de cumprir a obrigação de ser vacinada". Assim, manteve sua demissão por justa causa.

Cumpre esclarecer que o hospital fez a campanha favorável à vacinação e a empregada não apresentou nenhuma justificativa plausível sobre sua negativa à vacina.

Neste cenário, a empregada trabalhava diretamente ligada à linha de frente ao COVID, não seria possível o trabalho remoto e ainda, a empresa poderia ser condenada a uma possível doença ocupacional, caso a empregada se contaminasse com a doença. Logo, a justa causa foi favorável ao empregador.

Caso em que se deve analisar o cabimento da demissão.

Deve ser avaliado se o funcionário é essencial à empresa e ainda, se ele pode trabalhar na opção teletrabalho (homeoffice). Caso seja possível o trabalho 100% remoto, a empresa pode ser maleável à situação.

A empresa pode conscientizá-lo sobre a importância da vacina e, se tiver em seu regimento interno como regra a vacinação, cabe uma advertência ao funcionário, sem a necessidade de rescindir o contrato de trabalho.

Há ainda raros casos em que o funcionário tem prescrição médica, orientando a não tomar a vacina. Neste caso, o empregador não pode demitir nem advertir o funcionário, pois o mesmo comprova sua situação médica.

Vale lembrar que o empregador pode rescindir o contrato de trabalho de seus funcionários sem justa causa a qualquer tempo e sem nenhum motivo, desde que pague todas as verbas rescisórias devidas ao funcionário.

Desta forma, concluímos que o empregador deve analisar o cenário em que atua. Cabe a ele zelar pelo bem estar e saúde de seus funcionários e também pela segurança de cada um deles. O fato do funcionário se recusar a tomar a vacina, coloca em risco não só o próprio funcionário em si, como também os demais funcionários da empresa. Por isso, ponderar cada caso se faz necessário.
Colunista
Juliana de A. Andriotti Marchetti
*Juliana Andriotti é Advogada - Bacharel em Direito - FADAP (2009-2013). Pós-graduada em Direito e Processo do Trabalho - Escola Paulista de Direito Conciliadora formada pelo Curso de Mediação Judicial de acordo com a res. 125/2010 do CNJ.
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

PROGRAMA DE INCENTIVO DE EMPREGO A MULHERES E JOVENS

"Nesta Medida Provisória garante às mães de crianças de 4 meses a 5 anos ao auxílio-creche, por meio de acordo individual ou coletivo, ou por meio de convenção coletiva", escreve a colunista Juliana A. Marchetti

Novas regras para o teletrabalho - "home office"

Por Juliana Andriotti: Com as novas regras, considera-se teletrabalho ou trabalho remoto a prestação de serviços fora das dependências do empregador

Retorno presencial das gestantes

A nova lei dispôs de algumas regras para que a gestante retorne ao serviço

Seguro desemprego; saiba quem pode solicitar o benefício

Por Juliana Andriotti: O seguro desemprego é um benefício dado pelo Estado para os empregados que foram demitidos SEM JUSTA CAUSA. Isso mesmo, a demissão deve se dar por parte do empregador, e não deve ter justo motivo anotado na carteira de trabalho

Você trabalhou sem registro, foi demitido e não pagaram todos seus direitos? Saiba como proceder

Olá, leitor do Tupacity. Você por acaso passou por isso, ou conhece alguém que tenha passado? Neste artigo vou mostrar alguns caminhos possíveis para que você, trabalhador, não fique sem receber o que é seu de direito

Você trabalha e não é registrado? saiba as consequências e seus direitos!

Por Juliana Andriotti: Caso o empregado não registrado tenha vínculo empregatício e queira regularizar sua situação, é cabível acordo extrajudicial entre empregado e empregador

- Veja a lista completa