06 de Julho de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

Retorno presencial das gestantes

A nova lei dispôs de algumas regras para que a gestante retorne ao serviço



Foi sancionada no dia 10 de março de 2022 a lei que altera o afastamento da gestante do serviço presencial (Lei 14.311/2022). Nesta nova lei, a gestante que tem o esquema vacinal completo deve voltar às suas atividades laborais presencialmente.

A nova lei dispôs de algumas regras para que a gestante retorne ao serviço. Vejamos.

A empregada gestante que ainda não tenha sido totalmente imunizada contra o COVID-19, de acordo pelos critérios adotados pelo Ministério da Saúde e Plano Nacional de Imunizações (PNI), deverá permanecer afastada das atividades laborais presenciais.

Neste caso, a empregada gestante deverá ficar à disposição do empregador para exercer suas atividades em domicílio, por meio de teletrabalho, trabalho remoto, ou outra forma de trabalho à distância.

O empregador também poderá alterar as funções da empregada gestante, desde que respeite as competências para o desempenho do trabalho e as condições pessoais da gestante.

Importante mencionar que fica garantido o retorno da função anteriormente exercida quando a gestante retornar ao trabalho presencial.

Destaca-se que, o salário não poderá ser afetado.

A gestante deverá voltar imediatamente ao labor presencialmente, se assim for de escolha do empregador quando encerrar o estado de emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do coronavírus;

Ou então, deverá voltar imediatamente após sua vacinação completa contra o coronavírus, a partir do dia em que o Ministério da Saúde considerar completa sua imunização;

Ou ainda, deverá retornar imediatamente em caso de legítima opção individual pela não vacinação contra o coronavírus, ou por meio de assinatura de termo de responsabilidade e de livre consentimento para o exercício do trabalho presencial. Neste último caso, a gestante deverá cumprir todas as medidas preventivas adotadas pelo empregador.

Para esta lei, a opção por não se vacinar é uma expressão do direito fundamental da liberdade de autodeterminação individual, não podendo ser imposto à gestante restrição de direitos em razão da escolha da não vacinação.

Cale lembrar que o empregador precisa manter ações preventivas em combate ao coronavírus. Desta forma, mesmo que a lei garanta o retorno presencial da gestante, o empregador poderá manter a empregada em teletrabalho, sem prejuízo ao salário.
Juliana de A. Andriotti Marchetti
*Juliana Andriotti é Advogada - Bacharel em Direito - FADAP (2009-2013). Pós-graduada em Direito e Processo do Trabalho - Escola Paulista de Direito Conciliadora formada pelo Curso de Mediação Judicial de acordo com a res. 125/2010 do CNJ.
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

QUANDO CONSIGO TER ESTABLIDADE EM MEU EMPREGO PELA CLT?

Vejamos algumas hipóteses em que o empregado tem garantido seu emprego.

PROGRAMA DE INCENTIVO DE EMPREGO A MULHERES E JOVENS

"Nesta Medida Provisória garante às mães de crianças de 4 meses a 5 anos ao auxílio-creche, por meio de acordo individual ou coletivo, ou por meio de convenção coletiva", escreve a colunista Juliana A. Marchetti

Novas regras para o teletrabalho - "home office"

Por Juliana Andriotti: Com as novas regras, considera-se teletrabalho ou trabalho remoto a prestação de serviços fora das dependências do empregador

Seguro desemprego; saiba quem pode solicitar o benefício

Por Juliana Andriotti: O seguro desemprego é um benefício dado pelo Estado para os empregados que foram demitidos SEM JUSTA CAUSA. Isso mesmo, a demissão deve se dar por parte do empregador, e não deve ter justo motivo anotado na carteira de trabalho

Você trabalhou sem registro, foi demitido e não pagaram todos seus direitos? Saiba como proceder

Olá, leitor do Tupacity. Você por acaso passou por isso, ou conhece alguém que tenha passado? Neste artigo vou mostrar alguns caminhos possíveis para que você, trabalhador, não fique sem receber o que é seu de direito

Você trabalha e não é registrado? saiba as consequências e seus direitos!

Por Juliana Andriotti: Caso o empregado não registrado tenha vínculo empregatício e queira regularizar sua situação, é cabível acordo extrajudicial entre empregado e empregador

- Veja a lista completa