28 de Novembro de 2020
20º/30º
NOTÍCIAS » LOCAL

Preço do combustível volta a disparar nas bombas de Tupã

O litro do etanol em Tupã já atingiu nesta semana o preço de R$ 3,00. O valor representa um aumento de 18% em relação ao valor médio praticado pelos postos tupãenses no mês de agosto deste ano.

O litro do etanol em Tupã já atingiu nesta semana o preço de R$ 3,00. O valor representa um aumento de 18% em relação ao valor médio praticado pelos postos tupãenses no mês de agosto deste ano.

Segundo os últimos dados apresentados pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o litro do etanol em Tupã estava custando, no mês de agosto, R$ 2,54. Em relação ao preço atual, houve uma correção de R$ 0,46.

Nos últimos dois meses, a alta no preço da gasolina apresentou aumento de 9%, passando de R$ 3,94 em média, no mês de agosto, para R$ 4,30 neste mês de outubro, com aumento de R$ 0,36 para o consumidor final.

Etanol

Os preços do etanol hidratado nas usinas do Estado de São Paulo tiveram alta pela quinta semana consecutiva, com a proximidade do período de entressafra no Centro-Sul impulsionando os valores, além de chuvas que atrapalharam a colheita em algumas áreas, apontou nesta segunda-feira o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Entre 19 e 23 de outubro, o indicador Cepea/Esalq do etanol hidratado fechou a R$ 2,0452/litro (sem ICMS e sem PIS-Cofins), com alta de 1,50% frente ao período anterior.

A oferta de etanol está mais ajustada neste período de proximidade de final de safra, cenário que mantém em alta os preços do biocombustível no Estado de São Paulo. Além disso, chuvas em algumas regiões paulistas no início da semana passada paralisaram pontualmente a produção, reforçando a diminuição na oferta.

Do lado da demanda, distribuidoras realizaram compras pontuais, pois ainda há volumes relativamente elevados a serem escoados das bases, os quais foram adquiridos em semanas anteriores.

Gasolina

A Petrobras informou na última segunda-feira, dia 26, a redução do preço médio do diesel em 4% nas refinarias, enquanto a cotação da gasolina tinha uma previsão de queda de 5% a partir de ontem, terça-feira. Vale lembrar que o repasse dos reajustes dos combustíveis nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel.
Jornal Diário
+ VEJA TAMBÉM