25 de Setembro de 2022
20º/30º
Notícias - Mundo

2021 vai ser um pouco mais fresco que 2020, mas ainda estará entre os 6 anos mais quentes da história

O fenômeno climático La Niña no oceano Pacífico fará com que as temperaturas caiam, mas os gases causadores do efeito estufa continuarão sendo o maior fator de influência no clima global, afirmam os pesquisadores.

Os pesquisadores do centro de meteorologia do governo do Reino Unido preveem que 2021 será um pouco mais frio que 2020 em todo o mundo, mas ainda será um dos seis anos mais quentes já registrados.

O fenômeno climático La Niña no oceano Pacífico fará com que as temperaturas caiam, mas os gases causadores do efeito estufa continuarão sendo o maior fator de influência no clima global.

Os pesquisadores dizem que o mundo provavelmente ficará cerca de 1°C mais quente do que na era pré-industrial. Será o sétimo ano consecutivo que ficará próximo ou acima desta marca.

De acordo com as projeções do centro de meteorologia britânico, a temperatura da Terra em 2021 provavelmente ficará entre 0,91° C e 1,15º C acima do que eram nos anos 1850-1900, com uma estimativa média de 1,03º C.

O efeito La Niña

O La Niña se desenvolve quando fortes ventos sopram as águas quentes da superfície do Pacífico para longe da América do Sul e em direção às Filipinas.

O resultado disso é que as águas mais frias do fundo do oceano acabam vindo para a superfície do mar e reduzindo as temperaturas ali.

Espera-se que o fenômeno provoque uma queda de 1°C ou 2°C, o que provavelmente será o suficiente para evitar que 2021 tenho um novo recorde de alta temperatura.

Os pesquisadores dizem que o impacto de um evento de resfriamento natural como o La Niña, embora seja importante, é ofuscado pelo aquecimento causado pelos gases do efeito estufa na atmosfera.

"É improvável que a temperatura global para 2021 seja a de um ano recorde devido à influência atual da La Niña, mas será muito mais quente do que outros anos anteriores que tiveram o fenômeno, como 2011 e 2000, devido ao aquecimento global", diz Adam Scaife, chefe de previsão de longo alcance no centro de meteorologia do Reino Unido.

Houve um forte La Niña no ano de 1999-2000, mas as temperaturas globais aumentaram 0,4°C nos anos desde então. Isso de acordo com a estimativa de aquecimento de 0,2ºC por década, atribuída pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) à atividade humana.

"A variabilidade do ciclo La Niña/ l Niño é o segundo fator mais importante na determinação da temperatura da Terra, mas é um fator atenuado pelo efeito do aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera", diz o meteorologista Nick Dunstone, do centro de meteorologia do Reino Unido.

Os anos mais quentes

A instituição britânica diz que sua experiência bem sucedida na previsão de temperaturas anuais anteriores lhe dá confiança nas projeções para o próximo ano.

Um ano atrás, a agência estimou que 2020 seria entre 0,99°C e 1,23°C mais quente do que os níveis pré-industriais. Dados de janeiro a outubro deste ano indicam que a temperatura anual ficará 1,17°C acima da média de 1850-1900.

O ano de 2016 continua sendo o mais quente já registrado, com 2020 disputando o segundo lugar com 2019.

De acordo com uma avaliação provisória da Organização Meteorológica Mundial, os seis anos mais quentes em registros globais desde 1850 ocorreram depois de 2015. O Met Office espera que 2021 supere 2018 e fique em sexto lugar.
G1
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

James Webb: nova imagem do supertelescópio captura a visão mais nítida dos anéis de Netuno em décadas

Segundo a Nasa, o registro inédito destaca as características do gigante de gelo, como seus anéis brilhantes e faixas de poeira, de uma perspectiva completamente nova.

Realeza, líderes mundiais e público se reúnem para funeral da rainha

Rei Charles e outros membros da realeza seguiram caixão

Marca de ketchup Heinz terá de mudar rótulo após a morte da rainha; entenda

Mudança deve ocorrer devido ao Royal Warrant, um documento que permite que uma empresa use o brasão real nos produtos e na comercialização deles em troca do fornecimento de bens e serviços à realeza.

Nasa encontra sinal de possível vida microbiana antiga em Marte

Material ainda não é uma prova concreta da existência de vida passada no planeta vermelho, mas é a melhor chance até hoje, segundo a agência. Para confirmar a hipótese, amostras devem ser trazidas para a Terra e analisadas, daqui a uns dez anos.

Rainha Elizabeth II morre aos 96 anos

Monarca estava no Castelo de Balmoral, acompanhada do filho mais velho e herdeiro, o príncipe Charles; príncipes Andrew, Edward e William também estão no local

Saúde da rainha Elizabeth 2ª preocupa médicos, informa palácio de Buckingham

É um tanto incomum o Palácio de Buckingham divulgar um comunicado como este — em geral, o Palácio não está disposto a comentar sobre os assuntos médicos relacionados à monarca, que são vistos como privados.

- Veja a lista completa