21 de Maio de 2022
20º/30º
Notícias - Mundo

Planeta errante do tamanho da Terra é descoberto vagando pela Via Láctea

Descoberta é de cientistas poloneses, que afirmam que o planeta é o menor já visto até hoje. Ele foi achado fora do Sistema Solar. Planetas errantes não estão ligados gravitacionalmente a nenhuma estrela.

Um grupo de cientistas da Universidade de Varsóvia, na Polônia, anunciou a descoberta de um planeta errante, aproximadamente do tamanho da Terra, "vagando" pela nossa galáxia, a Via Láctea. A pesquisa com o achado foi publicada na quinta-feira (29) na revista científica "Astrophysical Journal Letters".

A Via Láctea é cheia de planetas errantes - como são chamados os planetas que não estão ligados gravitacionalmente a nenhuma estrela. A Terra, por exemplo, está ligada gravitacionalmente ao Sol, girando ao redor dele.

Segundo os cientistas poloneses, o planeta errante descoberto por eles é o menor já visto até hoje. Ele foi encontrado fora do Sistema Solar — ou seja, é o que os astrônomos chamam de exoplaneta.

Os exoplanetas raramente podem ser observados diretamente com telescópios, porque ficam ofuscados pela luz forte das estrelas que orbitam (se não forem errantes). Normalmente, astrônomos encontram esses planetas usando observações da luz da estrela hospedeira - a estrela que o planeta orbita.

Por exemplo: se um planeta passa na frente do disco de sua estrela-mãe, o brilho observado da estrela cai um pouco, de tempos em tempos, causando os chamados trânsitos.

Outra forma de encontrar planetas é medir o movimento da estrela hospedeira causado pelo planeta.

Só que os planetas errantes, por definição, não orbitam nenhuma estrela hospedeira. Por isso, não podem ser descobertos usando métodos tradicionais de detecção astrofísica. Além disso, por estarem longe de qualquer estrela, são muito frios e praticamente não emitem radiação (energia).

Microlente gravitacional

Mas os planetas errantes podem ser localizados usando um fenômeno astronômico chamado microlente gravitacional. A microlente resulta da teoria da relatividade geral de Einstein - segundo a qual a presença de massa no espaço curva o espaço-tempo.

No caso dos planetas errantes, eles agem como uma pequena lente, deformando o espaço-tempo ao redor.

O objeto massivo (o planeta-lente) pode curvar a luz de um objeto de fundo brilhante (a fonte de luz). A gravidade da lente atua como uma enorme lente de aumento, que dobra e amplia a luz de estrelas distantes.

Quanto maior for o planeta, maior é a duração do fenômeno, e vice-versa. Foi medindo essa duração que os pesquisadores da Polônia conseguiram estimar o tamanho do planeta errante que acharam.

"Se um objeto massivo (uma estrela ou um planeta) passa entre um observador baseado na Terra e uma estrela-fonte distante, sua gravidade pode desviar e focar a luz da fonte. O observador medirá um breve brilho da estrela-fonte", explica Przemek Mroz, primeiro autor do estudo e pós-doutorando no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos.

"As chances de observar microlentes são extremamente reduzidas porque três objetos - fonte, lente e observador - devem estar quase perfeitamente alinhados. Se observássemos apenas uma estrela-fonte, teríamos que esperar quase um milhão de anos para ver a fonte sendo ampliada pela microlente", acrescenta Mroz.

É por isso que pesquisas modernas em busca de eventos de microlente gravitacional estão monitorando centenas de milhões de estrelas no centro da Via Láctea, onde as chances de microlentes são mais altas, segundo informações da Universidade de Varsóvia.

Mais de quatro mil exoplanetas já foram identificados pela ciência. Embora muitos deles não se assemelhem aos do Sistema Solar, eles têm uma coisa em comum - todos orbitam uma estrela.

As teorias da formação e evolução dos planetas já previam, entretanto, a existência de planetas errantes. Há alguns anos, astrônomos da própria Universidade de Varsóvia forneceram a primeira evidência de planetas assim na Via Láctea.
G1
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

Sinais misteriosos: dados de sonda de 45 anos que viaja fora do Sistema Solar intrigam cientistas da Nasa

A sonda, o objeto mais distante da Terra já lançado pelo homem, tem como objetivo coletar dados do chamado espaço interestelar. Mistério que intriga cientistas está no sistema de orientação espacial do equipamento.

Agentes são acionados para capturar leão solto em cidade do Quênia, mas quando chegam ao local encontram apenas sacola de mercado

Equipe de proteção aos animais chegou preparada para lidar com um felino, mas acabou se deparando com uma sacola de compras com desenho de leão.

Olhe para o céu! Vênus e Júpiter estarão em conjunção neste final de semana

Fenômeno poderá ser visto em todo o Brasil, de acordo com o Observatório Nacional.

Novo surto de ebola atinge a República Democrática do Congo

O último surto teve duração de 42 dias. Na ocasião, foram notificados 11 casos (oito confirmados e três prováveis) e seis mortes na província do Kivu Norte.

Rincón, ex-jogador de futebol, morre aos 55 anos na Colômbia

Ídolo no Brasil e em seu país natal não resistiu aos ferimentos após ter o carro atingido por um ônibus na Colômbia, na última segunda-feira (11); jogador teve traumatismo craniano e passou por um delicada cirurgia, mas não sobreviveu.

Will Smith é banido por 10 anos da cerimônia do Oscar e outros eventos da Academia

Decisão de barrar presença em eventos até 2032 não impede nomeação ao prêmio nem tira estatueta que ele ganhou em 2022. Ator já havia renunciado à Academia após tapa em Chris Rock

- Veja a lista completa