30 de Outubro de 2020
20º/30º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Integrantes do PCC sequestram e fazem homem de refém em motel de Assis

O objetivo era executá-lo por suposto abuso de menor

Neste sábado, 10 de outubro, a Polícia Militar de Assis recebeu uma denúncia de que dois homens haviam sequestrado uma pessoa, suspeita de estuprar um garoto menor de idade, para fazer um tribunal do crime para julgar e executar o suspeito. O fato se deu no motel Patropi na Rodovia Manilio Gobbi, SP- 284, em Assis.

A Polícia Militar recebeu a denúncia e solicitou o apoio de equipes policiais para auxiliarem na ocorrência e ao chegarem no motel receberam a informação de que três pessoas estavam em um quarto.

Ao chegarem no quarto indicado, de número 8, um homem aguardava do lado de fora e ao ser abordado tentou quebrar o celular para esconder informações passadas pelos mandantes da facção criminosa.

A equipe policial entrou no quarto, onde a vítima estava sentada no chão com ferimentos causados pelo tribunal do crime organizado.

O homem relatou que na sexta-feira, 9, ele foi pego e levado até um posto de combustível abandonado na rodovia, onde homens com armas de fogo o levaram para o motel, onde foi agredido e iniciaram o tribunal, com o propósito de executá-lo, por supostamente ter abusado sexualmente de um garoto menor de idade. Contudo, a Polícia chegou e agiu antes que os homens tivessem o aval da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) para executá-lo.

A vítima relatou ao delegado que tentou contato com o 190, porque tinha certeza que seria condenado à morte e executado no quarto do motel pelo tribunal do crime organizado sem ter o direito de se defender, mas os criminosos perceberam que ele mexia no aparelho e o quebraram juntamente com o chip.

A vítima e os indiciados foram levados ao Plantão Policial, onde o delegado Marcelo Armstrong Nunes ratificou voz de prisão aos dois criminosos por crimes de organização criminosa, cárcere privado e lesão corporal, deixando ambos à disposição da Justiça.

Um deles, ainda na CPJ, declarou ser integrante da facção criminosa PCC e que estava apenas seguindo ordens da facção.
Redação AssisCity
+ VEJA TAMBÉM