03 de Outubro de 2022
20º/30º
Notícias - Saúde

Anvisa determina recolhimento de massas com substância ligada a morte de cães

Massas alimentícias da empresa Keishi devem ser recolhidas do mercado. Anvisa identificou uso de propilenoglicol contaminado por um solvente orgânico altamente tóxico nos produtos.

Massas alimentícias da empresa Keishi devem ser recolhidas do mercado. — Foto: Keishi/Reprodução
Massas alimentícias da empresa Keishi devem ser recolhidas do mercado. — Foto: Keishi/Reprodução


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou nesta quinta-feira (22) o recolhimento de massas alimentícias da empresa Keishi (Bbbr Indústria e Comércio de Macarrão Ltda.) que usaram o aditivo alimentar propilenoglicol, da marca Tecno Clean Industrial Ltda.

A agência também proibiu a comercialização, distribuição e o uso desses produtos fabricados entre 25 de julho de 2022 a 24 de agosto do mesmo ano.

Segundo a Anvisa, a medida ocorre após uma inspeção que identificou que a empresa adquiriu e usou a substância contaminada como ingrediente na linha de produção de suas massas.

No começo de setembro, conforme mostrou o g1, a Anvisa determinou o recolhimento e proibiu a comercialização, distribuição, manipulação e uso de dois lotes do propilenoglicol (AD5035C22 e AD4055C21) contaminados por uma substância tóxica, o etilenoglicol.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontou que os lotes agora recolhidos pela Anvisa foram contaminados pela substância tóxica. O propilenoglicol adulterado foi usado na fabricação de petiscos para cachorros e pode ter sido responsável pela morte de ao menos 40 animais.

Orientações ao consumidor e empresas

Ainda segundo a Anvisa, a Keishi é responsável pela produção e comércio de vários tipos de massas orientais, tais como udon, yakisoba, lamen, e também massas de salgados, como gyoza, vendidos na forma de massas congeladas.

Por isso, conforme orientação da agência sanitária, empresas que tenham as massas da Keishi não devem comercializá-las e nem as utilizar.

Já os consumidores que tenham comprado os produtos também não devem fazer uso.

A Anvisa orienta ainda que se o consumidor não encontrar a data de fabricação no rótulo das embalagens, ele deve entre em contato com a empresa para confirmar sua fabricação. Caso o consumidor não tenha certeza da data de fabricação, a orientação é não consumir as massas.
G1
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM