09 de Dezembro de 2022
20º/30º
Notícias - Saúde

Pessoas com deficiência visual ganham álbum da Copa em braille

Publicação tem uma página a mais para cada seleção

menos de um mês do início da Copa do Mundo de Futebol do Catar - que será realizada no período de 20 de novembro a 18 de dezembro - o Instituto Benjamin Constant (IBC), vinculado ao Ministério da Educação, confeccionou e está distribuindo gratuitamente um álbum de figurinhas dos jogadores, adaptado em braille, para atender pessoas com deficiência visual.

O diretor da Divisão de Educação do IBC, Luigi Amorim, em entrevista para a Agência Brasil, disse que a decisão de fazer um álbum em braille remonta à Copa de 2018, quando um aluno chamou sua atenção para essa questão.

Amorim terminava uma aula de matemática para uma turma do 4ª ano e começou a falar sobre o conteúdo que daria na aula seguinte em que abordaria figuras geométricas. Ele pediu aos alunos que passassem a mão sobre a superfície da mesa para saberem que se tratava de um retângulo.

Soube que um dos alunos gostava de futebol, torcia pela seleção brasileira e que, utilizando a reglete (instrumento criado para a escrita braille) com um artefato chamado punção, ele conseguia fazer retângulos para colar figurinhas da seleção. A reglete é um dos primeiros instrumentos criados por Louis Braille para a escrita braille, para que cegos possam ler e escrever, furando o papel.

No IBC, Amorim fez parte de um setor de adaptação de material didático e tinha expertise de fazer figuras para a escrita braille. Naquela semana, ele tinha acabado de completar o álbum da Copa com o filho e resolveu elaborar um com retângulos para colagem das figurinhas e entregá-lo ao aluno na aula seguinte. Amorim distribuiu também para outros alunos do IBC e conseguiu mandar para fora do país alguns exemplares, mas o trabalho não teve a divulgação de agora.

Lançamento

No último dia 23 de setembro, na semana em que o IBC comemorou 168 anos de existência, o novo álbum da Copa - adaptado em braille - foi apresentado para a comunidade de assistência a deficientes visuais.

Luigi Amorim orienta os alunos e demais pessoas com deficiência visual interessadas em colecionar as figurinhas da Copa e colá-las no álbum que baixem um aplicativo que lê imagens chamado Lookout.

"O aplicativo lê o número da figurinha e ali eles [pessoas com deficiência visual> têm todas as informações que a figurinha traz como altura, peso, nome do jogador e ano em que estreou na seleção", explicou.

O álbum tem uma página a mais para cada seleção. A disposição das figurinhas é a mesma do álbum comum. O grande diferencial é que cada seleção tem uma página a mais em que vem a legenda com todos os jogadores.

O diretor comentou que a única coisa que falta para que o álbum proporcione total independência e autonomia às pessoas com deficiência visual é que a figurinha tenha um corte em cima para identificar se ela está de cabeça para cima ou para baixo.

Tiragem

Foi feita uma tiragem inicial de 200 álbuns, distribuídos internamente no IBC. Outros 3 mil estão sendo enviados para assinantes da Revista Pontinhos, publicação trimestral em braille, voltada ao público infantojuvenil, e da Revista Benjamin Constant (RBC), ambas do IBC, de mais de 20 países que falam a língua portuguesa.

"Qualquer instituição que atenda pessoas com deficiência visual pode solicitar que a gente envia. Também estamos disponibilizando o arquivo, caso a instituição tenha uma impressora braille, para que ela possa fazer a impressão lá e a pessoa tenha acesso ao álbum", informou o diretor.

O IBC tem em sua escola, com matrículas regulares, 260 alunos da pré-escola à educação profissional. O instituto atende, porém, um número maior de alunos - 960 - incluindo educação precoce, atendimento, atletas, pessoas que perdem a visão e procuram reabilitação, pós-graduações e mestrado.

União

O estudante João Lucas Meireles Uchôa, aluno do 5ª ano da escola do IBC, com baixa visão, considerou uma ótima ideia a elaboração do álbum em braille. "Tem gente que não enxerga e vai poder completar o álbum. Isso vai unir mais a escola. Todo mundo vai poder trocar [figurinhas> e ninguém vai ficar de fora", comemora. A figurinha de que ele mais gosta, e que ainda não tem, é a dourada de Neymar. "Muito difícil", disse.

Com as figurinhas repetidas, João Lucas disse que ele e os colegas fazem um tipo de jogo bate e passa. O jogo é assim: colocam-se as figurinhas de cabeça para baixo, bate-se em cima e aquelas que virarem pertencem ao jogador que bateu. Com isso, os colecionadores conquistam novas figurinhas para colar nos álbuns, explicou o estudante do IBC.

*Colaborou Gabriel Brum, repórter da Rádio Nacional.
Agência Brasil
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM