03 de Outubro de 2022
20º/30º
Notícias - Saúde

Síndrome do Impostor: você não é uma fraude

Por Cléia Carolina Queiroz de Souza - Psicóloga Cognitivo Comportamental e Instrutora de Gestão do Senac Goiás

Você já se sentiu uma fraude? Ou teve medo das pessoas descobrirem que você não sabe tanto quanto elas pensam? Ou conhece alguém altamente habilidoso e empenhado, mas que não consegue reconhecer a própria capacidade?

Estamos falando da síndrome do impostor, também chamada de "pessimismo defensivo", que é uma desordem psicológica que, apesar de não ser classificada como doença mental, é bastante estudada. Os sintomas manifestados costumam ser os mesmos sintomas que também são encontrados em outros transtornos, como depressão, ansiedade e baixa autoestima.

Esse tipo de pensamento já passou por 70% das pessoas ao menos uma vez na vida e normalmente atinge profissionais, estudantes de pós-graduação, artistas, atletas e principalmente mulheres.

Embora essa síndrome não seja reconhecida pelos padrões de diagnósticos, ela causa imenso sofrimento e aumento da ansiedade. As razões para isso acontecer estão na ansiedade excessiva, comparação com os outros, principalmente nas redes sociais e a necessidade de ser perfeito.

Quem sofre dessa síndrome costuma não acreditar no seu sucesso e desvaloriza as suas conquistas, é comum acontecer quando se está em uma posição de ser alvo de julgamentos do desempenho: trocar de emprego, receber uma promoção ou entrar em uma faculdade.

As pessoas podem reagir de duas formas, trabalhando excessivamente para compensar esses pensamentos ou trabalhando menos, procrastinando, e os pensamentos nessas duas ações são os mesmos: auto depreciação, medo de exposição e autossabotagem.

Como resolver isso?

O primeiro passo é reconhecer que esse problema tem prejudicado sua vida e passar por um processo de autoconhecimento. Isso será fundamental para identificar os pensamentos disfuncionais que estão coibindo a sua evolução e a valorização das suas potencialidades.

Descobrir quais são seus pontos fortes e talentos para fortalecê-los, assim como respeitar suas falhas e limitações, reformular o pensamento e compreender que ninguém é perfeito.

Não sofra com esses pensamentos! Agora que você sabe o que é a síndrome do impostor e se esse problema estiver afetando sua vida, não hesite em procurar a ajuda de um profissional.

Cléia Carolina Queiroz de Souza
Cléia Carolina Queiroz de Souza

Cléia Carolina Queiroz de Souza
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM